Números e mais números

Hoje em dia para entender e comprar uma bicicleta correta, dependemos da interpretação de vários dados e da correlação entre eles. Os ajustes de uma bicicleta, altura de selim, recuo de selim, altura e alcance de guidão, nível de selim, posição de tacos e demais ajustes não são números imutáveis e nem dependem de fórmula ou gabarito pronto. A análise leva diversos fatores em consideração como: histórico de lesões, flexibilidade atual do ciclista, dirigibilidade da bicicleta, objetivo principal, alcance efetivo do ciclista em cima da bicicleta e muitos outros. O ajuste que você tem hoje em uma bicicleta, pode e será outro amanhã em outra. Se você trocar alguns dos pontos de contato com a bicicleta, guidão, manoplas, selim, pedais, sapatilhas e tacos, aerobar (triatlo) e etc.... seu "fit" está comprometido e deverá sofrer as correções relativas àquele novo ponto de contato. Se você tem uma caloi com determinada altura de selim e compra uma specialized e coloca exato a mesma, saiba que pode estar cometendo um equívoco pois a altura de selim depende diretamente de todos os pontos de contato com a bicicleta e vice-versa, e do formato do quadro.


A métrica atual para análise de um tamanho e formato de quadro para um ciclista é diferente de dois ou três anos atrás, que é diferente na época dos três anos atrás de mais uns 15 atrás e assim por diante. Não precisamos ir longe para vermos ciclistas que usam de maneira correta um quadro 52 em um fabricante, um 54 em outro, ou no mesmo fabricante com outro formato e modelo. No "moutain bike" não é diferente, ainda mais com o advento das aros 29; ciclistas usam e vão continuar usando se necessário tamanhos diferentes e tendo uma posição excelente em todas as bicicletas.




Em resumo, os números relativos ao "bike fit", ao tamanho das bicicletas, alcance, formato de quadros e etc...... são MUTÁVEIS e devem ser para que o ciclista sempre encontre no que é oferecido no mercado, o quadro com formato e tamanho correto. Expressões como "seat tube", "top tube" e etc, estão sumindo para dar lugar à outras ainda mais específicas. É a evolução do uso correto das bicicletas com qualquer objetivo e /ou modalidade praticada. Os profissionais que trabalham no setor devem manter constante atualização para conhecer a nova métrica e os novos sistemas de análise, e sugerir sempre componentes e quadros com o alcance correto para o ciclista. Se você é nosso cliente, estamos à sua disposição com o que há de melhor em equipamentos para ajudá-lo na escolha certa. E se, ainda não é, venha conhecer o nosso trabalho! Bom pedal à todos!