Dicas rápidas – tamanho dos quadros de triatlo

         

            Uma prática cada vez mais comum no triatlo é a escolha de quadros bem pequenos com o head tube menor para que o posicionamento seja bem aerodinâmico. Pois bem, ao optar por quadros pequenos e com uma angulação tão alta no tubo do selim (>76 graus), devemos ter em mente alguns aspectos relacionados à segurança do ciclista. O quadro pequeno e curto tem também a distância entre-eixos menor é claro; como em praticamente todos os quadros de triatlo o selim fica em cima da caixa de centro por conta da angulação do tubo de selim, devemos ter atenção aos momentos em que o atleta se encontra fora do clip com as mãos nos manetes no que diz respeito à distribuição de peso, principalmente em descidas de alta velocidade e curvas.

            Imagine que o centro de gravidade do ciclista é uma linha horizontal e uni-dimensional que se move para frente e para trás e o centro de massa é uma linha bi-dimensional que se move para frente e para trás e para cima e para baixo. O problema de distribuição de peso com o entre-eixos curto não é aparente quando o atleta está no clip; porém quando ele está nos manetes o seu centro de massa está muito longe do solo diferentemente de uma bike de ciclismo que tem o tubo de selim mais deitado. Na figura abaixo conseguimos entender isso: o azul é o centro de massa em relação ao entre-eixos em uma bike de ciclismo e o verde em uma de triatlo com o ângulo de tubo de selim mais avançado. Perceba a diferença na altura do centro de massa nas duas situações. Esse problema é maior quando o atleta possui pernas muito longas (os tipo leggy como dizem os americanos) e tronco curto; normalmente esses indivíduos necessitarão de um quadro curto por conta do tamanho de seu tronco e aí esse quadro será curto também na distância entre-eixos, que combinado com um selim muito alto agravará o problema.

 

 

            A solução para esse problema seria o aumento da balança traseira, do off-set do garfo junto da diminuição do ângulo do head tube deixando a bike mais estável já que ela ganhará maior distância entre os eixos (isso é um pouco difícil para os fabricantes por conta do ajuste da roda traseira). Figura abaixo. 

 

            Aqui vão duas dicas:

 

- Saia do clip só quando for estritamente necessário mesmo em descidas e em curvas;

- E os ciclistas com pernas muito longas devem colocar também como critério de escolha as bikes com maior distância entre-eixos e/ou trail, ou se preferirem, são os mais indicados para um quadro customizado (relativamente mais caro!)

 

Até a próxima!!!!!!!!!